Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Rosa pálida

Uma rosa

 

 

Rosa pálida, em meu seio 
Vem, querida, sem receio 
Esconder a aflita cor. 
Ai!, a minha pobre rosa! 
Cuida que é menos formosa 
Porque desbotou de amor. 

Pois sim... quando livre, ao vento, 
Solta de alma e pensamento, 
Forte de tua isenção, 
Tinhas na folha incendida 
O sangue, o calor e a vida 
Que ora tens no coração. 

Mas não eras, não, mais bela, 
Coitada, coitada dela, 
A minha rosa gentil! 
Coravam-na então desejos, 
Desmaiam-na agora os beijos... 
Vales mais mil vezes, mil. 

Inveja das outras flores! 
Inveja de quê, amores? 
Tu, que vieste dos Céus, 
Comparar tua beleza 
Às filhas da natureza! 
Rosa, não tentes a Deus. 

E vergonha!... de quê, vida? 
Vergonha de ser querida, 
Vergonha de ser feliz! 
Porquê?... porquê em teu semblante 
A pálida cor da amante 
A minha ventura diz? 

Pois, quando eras tão vermelha 
Não vinha zângão e abelha 
Em torno de ti zumbir? 
Não ouvias entre as flores 
Histórias dos mil amores 
Que não tinhas, repetir? 

Que hão-de eles dizer agora? 
Que pendente e de quem chora 
É o teu lânguido olhar? 
Que a tez fina e delicada 
Foi, de ser muito beijada, 
Que te veio a desbotar? 

Deixa-os: pálida ou corada, 
Ou isenta ou namorada, 
Que brilhe no prado flor, 
Que fulja no céu estrela, 
Ainda é ditosa e bela 
Se lhe dão só um amor. 

Ai!, deixa-os, e no meu seio 
Vem, querida, sem receio 
Vem a frente reclinar. 
Que pálida estás, que linda! 
Oh!, quanto mais te amo ainda 
Dês que te fiz desbotar. 

Almeida Garrett, in 'Folhas Caídas'

 


Num dos meus passeios de fim de tarde de verão, algures numa avenida em Setúbal, uma rosa num quintal... linda!
 
Jorge Soares
 
Jul 2, 2009, Câmara: SONY , DSLR-A350,ISO: 400,Exposição: 1/200 seg.,Abertura: 5.0,Extensão focal: 160mm

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Quem cá vem