Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

.... Pedras que escolhi Muitas que colhi .....

ÀS PEDRAS - EU RENUNCIO.

 

ÀS PEDRAS - EU RENUNCIO.

 

Sim, assombram-me

Pedras que escolhi

Muitas que colhi

E outras que guardei…

 

Sim, assombram-me

As que me pareciam frágeis...

As que se faziam delicadas…

Porque a todas, abriguei!

 

Sim, renuncio

À ganância, à arrogância

De se sentirem valiosas

Ou quiçá, preciosas?!...

 

Sim, renuncio

Pois das pedras que acolhi

Poucas são, as que reconheci

Como sendo essenciais.

 

E porque me estão a assombrar

Acabei de as renunciar

Querendo vê-las deslizar

Da palma da minha mão.

  

Se não se deixam polir

Se não as posso amaciar 

Se servem só para amolar...

Fiquem pedras eternamente.

 

No empedrado da rua

Pisadas e repisadas

Amassadas com alcatrão

Se for essa a sua condição.

 

Terminando assim de uma vez

Com a minha assombração

Porque eu – renuncio!

 

By DiDaFlower 

 

 

Um enorme beijinho Flor.... as pedras são inertes, não sentem, vão e vem ao sabor da corrente ou das mãos que lhes pegam... vão para onde as largam... nós somos seres autónomos, é suposto mover-nos por nós e para nós.... há sempre um caminho... mesmo que na encruzilhada se escolha a direita quando era a esquerda.. há sempre a hipótese de voltar atrás..e seguir o atalho certo.

 

Mais uma das imagens do inverno... quando as nossas praias estão cheias de tesouros.

Praia do Creiro,

 

Setúbal, 1 de Janeiro de 2011

Jorge Soares

 

 

.... As aves partiram As folhas caíram ...

O vento mudou

 

Ouçam
Ouçam
E o vento mudou
Ela não voltou
As aves partiram
As folhas caíram

Ela quis viver
E o mundo correr
Prometeu voltar
Se o vento mudar

E o vento mudou
E ela não voltou
Sei que ela mentiu
P'ra sempre fugiu
Vento por favor
Traz-me o seu amor
Vê que eu vou morrer
Sem não mais a ter

Nuvens tenham dó
Que eu estou tão só
Batam-lhe à janela
Chorem sobre ela
E as nuvens choraram
E quando voltaram
Soube que mentira
P'ra sempre fugira
Nuvens por favor
Cubram minha dor
Já que eu vou morrer
Sem não mais a ter

Ouçam Ouçam ouçam Ouçam ouçam 

 

Ouvir aqui 

 

Algures no inverno na  praia em Troia, quando o mar e o vento deixam a areia cheia de tesouros.....

 

Setúbal, Novembro de 2008

Jorge Soares

 

 

- Sossego, só sossego -

Borboleta no tronco

 

 

Aqui onde se espera 
- Sossego, só sossego - 
Isso que outrora era, 


Fernando Pessoa, in 'Cancioneiro'

 

Íamos pela estrada, eu vi-a chegar e pousar ali no tronco a uns 2 metros de mim, precisamente onde a luz do sol incidia perfeita entre as sombras. Com muito cuidado tirei a máquina da mochila, troquei a lente e dispunha-me a tirar mais uma boa série de fotografias .... não reparei que atrás de mim vinha um dos miúdos que com toda a estrada só para ele, decidiu passar, indiferente a mim, à máquina e à borboleta, precisamente pelo espaço que me separava do tronco... vi que se aproximava e  não consegui falar, qualquer movimento brusco para o deter faria com que ela voasse ... ele passou, a borboleta voou ... e eu fiquei a olhar para o tronco vazio.

 

Não consegui descobrir o nome do bichinho

 

Poço Corga, Castanheira de Pêra

Junho de 2011

.... esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade!

Todos diferentes todos iguais

 

“A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade.” 

 

Carlos Drummond de Andrade

 

Eu gosto de Pessoas.

Setúbal, Maio de 2011

Jorge Soares

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Pág. 1/5

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Quem cá vem