Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Budapeste à noite - Ponte Széchenyi Lánchíd

Ponte

 Mapa de lugares em Ponte Széchenyi Lánchíd Ponte Széchenyi Lánchíd

Budapeste

Ponte

Ponte

 

 

Ponte Széchenyi Lánchíd é uma ponte pênsil que atravessa o rio Danúbio entre Buda e Peste, os lados ocidental e oriental de Budapeste, capital da Hungria. Possui 375 metros de extensão. Foi inaugurada em 20 de novembro de 1849.

Em ambas as margens temos:

 

Praça Roosevelt (com o Palácio Gresham e a Academia de Ciências da Hungria);
Praça Adam Clark (na Pedra do Quilômetro Zero e no fim do funicular do Castelo de Buda).

 

Budapeste, Hungria

Dezembro de 2013

Jorge Soares

Budapeste à noite - Castelo de Buda

Budapeste à noite

Budapeste à noite

Budapeste

Budapeste à noite

Budapeste à noite

 

O Castelo de Buda (em húngaro Budai Vár; em turco Budin Kalesi) é o castelo histórico dos reis da Hungria em Budapeste. No passado também foi chamado de Palácio Real (em húngaro Királyi-palota) e Castelo Real (em húngaro Királyi Vár). Construído na encosta sul da Colina do Castelo, próximo do velho Bairro do Castelo (em húngaro Várnegyed), o qual é famoso pelas suas casas e edifícios públicos medievais, barrocos e oitocentistas, está ligado à Praça Adam Clark e à Ponte Széchenyi Lánchíd pelo Funicular da Colina do Castelo.

 

O Castelo de Buda foi classificado pela UNESCO, em 1987, como Património da Humanidade, integrado no sítio Budapeste, com as Margens do Danúbio, o Bairro do Castelo de Buda e a Avenida Andrássy.

 

Budapeste, Hungria

Dezembro de 2013

Jorge Soares

A pálida luz da manhã de Inverno

Inverno

 

A pálida luz da manhã de Inverno,

 

A pálida luz da manhã de Inverno,

        O cais e a razão

Não dão mais esperança, nem uma esperança sequer,

        Ao meu coração.

        O que tem que ser

Será, quer eu queira que seja ou que não.

 

No rumor do cais, no bulício do rio

        Na rua a acordar

Não há mais sossego, nem um vazio sequer,

        Para o meu esperar.

        O que tem que não ser

Algures será, se o pensei; tudo mais é sonhar.

 

Fernando Pessoa

 

Algures em Budapeste

Dezembro de 2013

Jorge Soares

É natal, é natal

Natal

 

A Melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida.

 

Desconhecido

 

O natal numa rua de Budapeste

Dezembro de 2013

Jorge Soares

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Quem cá vem