Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Igreja de Santa Maria da Graça

Igreja de Santa Maria da Graça, Setúbal

Santa Maria da Graça

Santa Maria da graça

Santa Maria da Graça, Setúbal

Santa Maria da Graça, Setúbal

 

Igreja de Santa Maria da Graça, edifício de origem medieval, século XIII, foi totalmente reconstruído no século XVI. Na fachada quinhentista salientam-se duas torres sineiras. No interior merecem destaque os bons exemplos de azulejaria e de talha dourada do século XVIII.

 

Setúbal

Abril de 2011

Jorge Soares

Setúbal : Convento de Jesus 2

Setúbal, convento de Jesus

Convento de Jesus

Convento de Jesus

Convento de Jesus, Setúbal

Convento de Jesus

Convento de Jesus

 

Parece que finalmente toda esta zona terá obras, é incrível como um monumento como este, com a sua história, esteja numa praça que está convertida em pista de desportos radicais, sujeita a vandalismo constante a grafitis.. ao maior desleixo.

 

Convento de jesus

Setúbal

Junho de 2010

Jorge Soares

Setúbal : Convento de Jesus

Convento de jesus

 

A Igreja do Antigo Convento de Jesus de Setúbal situa-se na bela cidade de Setúbal, região de Lisboa, e é um dos grandes tesouros da região, constituindo um dos principais monumentos do estilo Manuelino em Portugal, classificado como Monumento Nacional.

 

O edifício do Convento de Jesus foi fundado em 1490 pela ama do rei D. Manuel I, Justa Rodrigues Pereira. O Rei D. João II manda ampliar o projecto, entregando-o ao famoso arquitecto Diogo Boitaca em 1494, e em 1496 era já ocupado pelas Freiras Clarissas. A Igreja Gótica apresenta um interior sumptuoso, e foi o primeiro ensaio no País de uma “igreja salão”, conferindo uma unidade do espaço, com as três naves abobadadas à mesma altura, permitindo uma iluminação uniforme do interior.

 

A Igreja é famosa pelas suas belas colunas torsas feitas em brecha (uma pedra típica da Serra da Arrábida) que sustentam as abóbadas. No tecto estão presentes nervuras espiraladas que viriam a ser um dos grandes marcos do estilo Manuelino, e que aqui parecem ser dos primeiros exemplares onde foram utilizadas. Na capela-mor existia um belo retábulo renascentista, que agora se encontra na Galeria de Pintura Renascentista anexa à Igreja.

 

Este Monumento Nacional foi adquirindo um estado elevado de degradação e tem sido nos últimos anos alvo de um grande projecto de recuperação e restauro que tem sofrido muitas alterações, cortes orçamentais e contrariedades, embora alguns trabalhos de restauro tenham tido lugar mais recentemente. No Convento funciona também o Museu de Setúbal que alberga diferentes núcleos como a “Casa Bocage”, “Casa do Corpo Santo / Museu do Barroco” e o “Museu Sebastião da Gama”, apresentado colecções na área da arte, história, arqueologia, numismática e arte contemporânea.

 

Fonte Guia da cidade

Tempo

 

Tempo

 

Tempo — definição da angústia. 
Pudesse ao menos eu agrilhoar-te 
Ao coração pulsátil dum poema! 
Era o devir eterno em harmonia. 
Mas foges das vogais, como a frescura 
Da tinta com que escrevo. 
Fica apenas a tua negra sombra: 
— O passado, 
Amargura maior, fotografada. 

Tempo... 
E não haver nada, 
Ninguém, 
Uma alma penada 
Que estrangule a ampulheta duma vez! 

Que realize o crime e a perfeição 
De cortar aquele fio movediço 
De areia 
Que nenhum tecelão 
É capaz de tecer na sua teia! 

Miguel Torga, in 'Cântico do Homem'

 

Bragança, Torre da Sé

Agosto de 2009

Jorge Soares

Óbidos:Santuário do Senhor da Pedra

O senhor da Pedra, Obidos

Igreja do Senhor da Pedra, Óbidos

Igreja do senhor da Pedra, Óbidos

Igreja do senhor da Pedra

Igreja do senhor da Pedra

 

 Situado fora do burgo medieval, algumas centenas de metros para norte é uma verdadeira curiosidade arquitectónica, devido à sua planta quase circular. Foi iniciado em 1740, tendo as obras sido interrompidas por morte do arquitecto, capitão Rodrigo Franco. O templo manteve-se com os seus torreões inacabados, onde, deveriam ter sido colocados carrilhões, à semelhança dos do Convento de Mafra.

 

Óbidos, Caldas da Rainha

Julho de 2009

Jorge Soares

Igreja do Bonfim, Portalegre

Igreja do Bonfim, Portalegre

Igreja do Bonfim, Portalegre

 

Fachada principla, igreja do Bonfim, Portalegre

Janela, Igreja do Bonfim, Portalegre

Porta lateral, Igreja do Bonfim 

Ao fim de 16 anos de governo do Bispado portalegrense, D. Diogo Correia, 4º prelado da Diocese, foi habitar uma quinta perto da cidade de Portalegre, que por isso passou a chamar-se Quinta do Bispo.

Reza a tradição que foi nela que D. Diogo modelou a imagem representando Ecce Homo, que mandou colocar em determinado ponto da quinta. A imagem, feita de barro, por muito tempo conservou a cor natural. D. Diogo morreu na dita quinta a 9 de Outubro de 1614.

Em 1714, alguns devotos mandaram encarnar a imagem, e ao mesmo tempo construiu para ela um pequeno nicho, o qual mais tarde foi transformado na actual Igreja, que passou a ser protegida pela esposa de D. João V e passou a ter o título de Real Igreja do Bonfim, a qual encerra uma decoração de talha e pinturas de valor incalculável,

D. Álvaro Pires de Castro Noronha, Bispo de Portalegre, nomeado por D. João V, lançou a primeira pedra para a sua fundação, em 21 de Dezembro de 1721.

Tinha irmandade com 24 deputados, 12 clérigos, 12 seculares e Sua Majestade e Protectora.

Os paramentos eram ricos, brancos de tela de prata.

Tinham os seguintes altares: Senhora da Luz, Senhor do Bonfim e Senhora do Amparo.

Em 1852 a Igreja foi restaurada.

Foi outrora centro de romarias e actualmente realizam-se junto desta igreja as festas do Senhor do Bonfim no último domingo de Setembro. 

 

Fonte, Wikipédia

 

Portalegre, Julho de 2009

Igreja de Santa Maria da Graça

Sé

A sé de Setúbal

Sé de Setúbal

Setúbal

Sé

A Igreja de Santa Maria da Graça ou Sé de Setúbal, matriz de Setúbal, situa-se no coração do primitivo burgo medieval setubalense, tendo sido em torno desta que se desenvolveu o mais importante bairro medieval da cidade, assim como o centro religioso e político-administrativo.

Fundada no século XIII, o actual edifício é uma reconstrução do alto renascimento com uma imponente fachada maneirista. No interior colunas com frescos, talha e azulejos dos séculos XVII e XVIII.

Numa rua lateral encontra-se o pórtico gótico de uma antiga hospedaria – o Hospital de João Palmeiro.

 

Fonte Wikipédia

 

Setúbal, Março de 2007

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Quem cá vem