Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

A beleza das pequenas coisas, Margaridas

Margaridas

Margaridas , a beleza das pequenas coisas

Margaridas, o segredo das pequenas coisas

 

As pequenas flores estavam penduradas na parede de um velho muro, mesmo ao lado do portão de uma casa, o sol do fim de tarde incidia directamente sobre elas, a luz, o lugar, as pequenas flores,.. perfeito, troquei a lente para a de 200 e dispunha-me a disparar.. um grito devolveu-me ao mundo:

 

- O que é que está a fazer? está a tirar fotografias a quê?

 

Apanhei um susto tal que nem consegui dizer nada, fiquei a olhar para a idosa que rapidamente se dirigia a mim.

 

- Está a tirar a fotografias a quê, ao número da casa?

 

Só então reparei que o pequeno tufo de margaridas estava encostado ao número da casa.... e fez-se luz.

 

- Ao Número? não, às flores, estou a tirar fotografias às flores.

-Quais flores?

-As flores pequeninas que estão ali

-Às Flores?... mas isso tem alguma piada?

 

Esta ultima frase já foi com ar de gozo, para ela aquelas flores insignificantes não mereciam o meu tempo... eu fiquei de tal modo aparvalhado que só consegui tirar estas três e saí dali rapidamente... pena, porque a luz estava mesmo bonita.

 

Alviães, Palmaz, Oliveira de Azeméis

Março de 2011

Jorge Soares

Detalhes, coisas, pequenas coisas

Coisas, pequenas coisas

 

Coisas, Pequenas Coisas

 

Fazer das coisas fracas um poema. 

Uma árvore está quieta, 
murcha, desprezada. 
Mas se o poeta a levanta pelos cabelos 
e lhe sopra os dedos, 
ela volta a empertigar-se, renovada. 
E tu, que não sabias o segredo, 
perdes a vaidade. 
Fora de ti há o mundo 
e nele há tudo 
que em ti não cabe. 

Homem, até o barro tem poesia! 
Olha as coisas com humildade. 

Fernando Namora, in "Mar de Sargaços"

 

O Outono cheio de cor, na natureza nada se perde, tudo se transforma, o fim da vida de uma pinha é o berço para estes dois pequenos e bonitos cogumelos.

 

Praia do Meco, Sesimbra, Setúbal

Novembro de 2010

Jorge Soares

A felicidade das pequenas coisas

 

 

A felicidade das pequenas coisas

 

Que felicidade 
Acordar e ver a cor do céu! 
Tomar um banho com sabão 
Beber um café fumegando 
Abrir o trinco da porta 
E sair em passeio 
Levando um caderno e um livro. 
Sentar na esplanada da praça 
E ver as crianças brincando. 
Dar migalhas aos pombos na palma da mão 
E ficar em sustida alegria sorrindo 
Quando um pardal se afoita em sentar-se à mesa. 
Que felicidade 
Olhar o céu e desenhar com os olhos 
Paisagens de nuvens coloridas! 
Ver os barcos que levam saudades vagarosas 
No azul do rio que se lança no abraço do oceano 
Que bom o aroma 
Dos ramos das floristas mergulhados nos baldes de zinco 
Florindo as esquinas de arco-íris! 
Convidando quem passa em solidário aroma, 
Que bom o pão fresco na padaria 
Onde se derrete a manteiga! 
Que delicia inigualável a do leite das manhãs! 
Entrar em casa, pisar o tapete 
E ao rodar da chave a saudação 
Dos pipilos dos pássaros contentes! 
Escutar uma canção enquanto se inventa o almoço 
Escutar as notícias e saber de toda a gente 
Por vezes com lágrimas, por vezes com sorrisos.... 
E abrir uma janela de magia 
Aonde o mundo se reúne em diálogo 
Num ponto de encontro chamado Amizade!

 

MARIA PETRONILHO

Retirado de aqui

 

Pequena papoila vermelha que nasceu por entre as pedras da calçada

Setúbal

Abril de 2010

Jorge Soares

Coisas, pequenas coisas!

Fazer das pequenas coisas um poema

 

Fazer das coisas fracas um poema. 

Uma árvore está quieta, 
murcha, desprezada. 
Mas se o poeta a levanta pelos cabelos 
e lhe sopra os dedos, 
ela volta a empertigar-se, renovada. 
E tu, que não sabias o segredo, 
perdes a vaidade. 
Fora de ti há o mundo 
e nele há tudo 
que em ti não cabe. 

Homem, até o barro tem poesia! 
Olha as coisas com humildade. 

Fernando Namora, in "Mar de Sargaços" 

 

A vida é feita de quê senão de pequenas coisas?

 

Jorge Soares

 

Oct 11, 2009, Câmara: SONY , Modelo: DSLR-A350, ISO: 100, Exposição: 1/1000 seg., Abertura: 5.6, Extensão focal: 200mm

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D