Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Mar

Mar

 

Mar

 

Tens sabor salgado mas és doce no sorrir

O teu cheiro convida-nos a abraçar-te

Beijas os pés a quem se aproxima

Acenas e cumprimentas com as tuas ondas

 

Choras as tuas revoltas em nossa direcção

Repousas o teu carinho em pequenas lagoas

Carregas em ti o peso da melancolia

Na tua solidão assobias de forma espiral

 

No teu interior todos os seres te obedecem

A tua beleza esconde mistérios por revelar

Os rios correm ávidos do teu abraço

E a Lua enamora-se por ti e ensina-te a tua direcção

 

Deixas que viagem sobre o teu colo

Vais aonde queres no ápice do teu desejo

Tens o poder de transformar o sonho em realidade

No lugar onde adormeces começa o nosso sonho

 

O vento é o teu mensageiro incondicional

Envias recados às nuvens

Os relâmpagos dançam contigo na noite

E de dia convidas o sol para caminhar contigo.

 

(In-perfeita)

 

O mar de Janeiro na Costa da Caparica...

Janeiro de 2011

Jorge Soares

Oh, malmequer mentiroso!

Malmequer

 

"Malmequer"

Oh, malmequer mentiroso!
Quem te ensinou a mentir?
Tu dizes que me quer bem
Quem de mim anda a fugir!

Desfolhei o malmequer
No lindo jardim de Santarém!
Malmequer, bem-me-quer,
Muito longe está quem me quer bem!

Um malmequer pequenino
Disse um dia à linda rosa:
Por te chamarem rainha,
não sejas tão orgulhosa!

Malmequer não é constante,
Malmequer muito varia!
Vinte folhas dizem morte
Treze dizem alegria!

Desconheço o autor/a, 

Mas imortalizado na voz de muitos artistas, e se é para cantar...

 

Ontem passei o dia a tentar recordar estes versos, eu sabia que eles existiam, mas por mais que me esforcei, não os consegui retirar do lugar perdido da memória onde eles estavam... nem o Google me consegui levar a eles... como que adivinhando, o amigo Manuel hoje deixou-os para todos nós nos comentários a um dos posts .... quem tem visitantes simpáticos, tem tudo.

 

Obrigado

 

Setúbal, Maio de 2009

Jorge Soares

Divagar

Pardal

 

Pudesse abrir asas

E voar sobre quintais

Pousaria nas janelas

Como fazem os pardais

 

Soltaria em cada uma

Um suave chilrear

Obrigando quem lá mora

A abri-las de par em par

 

Em meu bico entregaria

Uma flor perfumada

Arrancando um sorriso

Até à cara mais fechada

 

E cantando partiria

Feliz no azul do céu

Sonhando ser como os pardais

Nestes meus sonhos irreais

 

Asas de pássaro não são braços

Tenho pernas, tenho pés

Os animais não são todos iguais

 

Gosto do meu fabular

De um dia poder voar

Não quebrem esta ilusão

Tu estás a divagar!...

 

Flor

Roubado, devagarinho, do A Alma da Flor

 

Um pardal num arbusto no Jardim da Algodeia

Setúbal, Agosto de 2008

Jorge Soares

O Blog está de parabéns, 3 anos de Momentos e Olhares

Borboleta

 

Este blog faz 3 anos, 3 anos em que dia a dia fui alimentando o meu gosto pela fotografia, por partilhar o que vejo, por aprender mais, por apesar de completamente amador, aprender um bocadinho mais cada dia. Sou incapaz de contar quantas fotografias terão por aqui passado, melhores ou piores, com mais ou menos qualidade, com mais ou menos interesse.

 

O meu gosto pela fotografia existe porque este blog existe, e ele existe porque há quem por cá vá passando, mais ou menos assiduamente, porque gosta ou por puro acaso, curiosamente o blog chegou aos 100.000 visitantes no dia em que fez 3 anos, a todos e cada um de vós o meu muito obrigado pelo tempo que cá passam, muito obrigado pelos simpáticos comentários, pelas criticas construtivas... por simplesmente passarem em silêncio. Eu prometo que tentarei continuar a mostrar os meus momentos, os lugares por onde vou passando... as pequenas coisas que muitas vezes se tornam grandes fotografias.

 

Jorge Soares

Na casa defronte de mim e dos meus sonhos,

Casa na Vila do Gerês

 

Na casa defronte de mim e dos meus sonhos, 
Que felicidade há sempre! 

Moram ali pessoas que desconheço, que já vi mas não vi. 
São felizes, porque não sou eu. 

As crianças, que brincam às sacadas altas, 
Vivem entre vasos de flores, 
Sem dúvida, eternamente. 

As vozes, que sobem do interior do doméstico, 
Cantam sempre, sem dúvida. 
Sim, devem cantar. 

Quando há festa cá fora, há festa lá dentro. 
Assim tem que ser onde tudo se ajusta — 
O homem à Natureza, porque a cidade é Natureza. 

Que grande felicidade não ser eu! 

Mas os outros não sentirão assim também? 
Quais outros? Não há outros. 
O que os outros sentem é uma casa com a janela fechada, 
Ou, quando se abre, 
É para as crianças brincarem na varanda de grades, 
Entre os vasos de flores que nunca vi quais eram. 
Os outros nunca sentem. 

Quem sente somos nós, 
Sim, todos nós, 
Até eu, que neste momento já não estou sentindo nada. 

Nada! Não sei... 
Um nada que dói... 

Álvaro de Campos, in "Poemas"
Heterónimo de Fernando Pessoa

 

 

Tenho uma amiga que diz que com chuva as cores ficam mais vivas, a julgar por esta fotografia que mostra um pedacinho do Outono no nosso país, ela tem razão.

 

Outono na Vila do Gerês

Novembro de 2010

Alma de Fotógrafa, coração de amiga

 

Posso escolher o local

 

Posso escolher o local...

 

Mas a cor do céu

a cor da água e das ondas

quando a deixo como me é apresentada

isso eu não posso escolher!

E é essa característica que me deixa fascinada

e tantas vezes surpreendida nas fotos que vou colhendo e mostrando.

 

Gosto da natureza e do que me dá em cada momento.

da cor do sol ao entardecer,

da manhã de chuva,

da tempestade de vento que arrasta a folhagem,

do ar frio e branco da neve,

da noite de luar,

das luzes cintilantes de uma grande cidade

ou as tremeluzentes lâmpadas das aldeias ao longe.

 

E é porque gosto que mostro!

 

Flor

 

Parabéns miúda, que faças muitos, cada um o mais feliz do mundo.. tu e os teus merecem.

 

Jorge Soares

Amigo é ...

Irmãos.. amigos

 

Pode ser que um dia deixemos de nos falar... 
Mas, enquanto houver amizade, 
Faremos as pazes de novo. 

Pode ser que um dia o tempo passe... 
Mas, se a amizade permanecer, 
Um de outro se há-de lembrar. 

Pode ser que um dia nos afastemos... 
Mas, se formos amigos de verdade, 
A amizade nos reaproximará. 

Pode ser que um dia não mais existamos... 
Mas, se ainda sobrar amizade, 
Nasceremos de novo, um para o outro. 

Pode ser que um dia tudo acabe... 
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente, 
Cada vez de forma diferente. 
Sendo único e inesquecível cada momento 
Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre. 

Há duas formas para viver a sua vida: 
Uma é acreditar que não existe milagre. 
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.

 

Albert Einstein

 

Zambujeira do mar, Alentejo

Abril de 2010

Jorge Soares

A gente não faz amigos, reconhece-os.

Cisnes no jardim do Bonfim

 

Tenho amigos que não sabem o

quanto são meus amigos.

Não percebem o amor que lhes

devoto e a absoluta

necessidade que tenho deles.

A amizade é um sentimento mais

nobre do que o amor,

eis que permite que o objeto dela

se divida em outros afetos,

enquanto o amor tem intrínseco o ciúme,

que não admite a rivalidade.

E eu poderia suportar,

embora não sem dor,

que tivessem morrido todos os

meus amores, mas enlouqueceria

se morressem todos os meus amigos!

 

Até mesmo aqueles que não percebem

o quanto são meus amigos e o quanto

minha vida depende de suas existências ….

A alguns deles não procuro, basta-me

saber que eles existem.

Esta mera condição me encoraja a seguir

em frente pela vida.

 

Mas, porque não os procuro com

assiduidade, não posso lhes dizer o

quanto gosto deles.

Eles não iriam acreditar.

Muitos deles estão lendo esta crônica

e não sabem que estão incluídos na

sagrada relação de meus amigos.

 

Mas é delicioso que eu saiba e sinta

que os adoro, embora não declare e

não os procure.

E às vezes, quando os procuro,

noto que eles não tem

noção de como me são necessários,

de como são indispensáveis

ao meu equilíbrio vital,

porque eles fazem parte

do mundo que eu, tremulamente,

construí e se tornaram alicerces do

meu encanto pela vida.

 

Se um deles morrer,

eu ficarei torto para um lado.

Se todos eles morrerem, eu desabo!

Por isso é que, sem que eles saibam,

eu rezo pela vida deles.

E me envergonho,

porque essa minha prece é,

em síntese, dirigida ao meu bem estar.

Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.

Por vezes, mergulho em pensamentos

sobre alguns deles.

 

Quando viajo e fico diante de

lugares maravilhosos, cai-me alguma

lágrima por não estarem junto de mim,

compartilhando daquele prazer …

Se alguma coisa me consome

e me envelhece é que a

roda furiosa da vida não me permite

ter sempre ao meu lado, morando

comigo, andando comigo,

falando comigo, vivendo comigo,

todos os meus amigos, e,

principalmente os que só desconfiam

ou talvez nunca vão saber

que são meus amigos!

 

A gente não faz amigos, reconhece-os.

 

(Vinícius de Moraes)

 

Cisnes no Jardim do Bonfim, Setúbal

Dezembro de 2009

Tulipa

Uma tulipa da Irlanda

 

 

Vão longe os dias em que era vistosa, mas revive a cada dia em cada pétala que me deixou, perfumando o meu armário de lembranças.


Pétalas que guardo por terem um pedaço de ti. Um pouco do teu sorrir, do teu terno olhar e das palavras sussurradas a cada instante, naquele instante em que após um beijo a colocaste nas minhas mãos.


Hoje sou eu que te ofereço esta Tulipa, que em cada pétala te leva pedaços de mim, do meu sorrir, do meu olhar, do meu sentir…para que mesmo distante me sintas perto e com a certeza de que o que sinto jamais irá murchar.


Sorriso da Lua
 
Este é um post a 3 mãos, a fotografia é minha, apanhei esta Tulipa na entrada de uma fábrica na Irlanda... como é diferente o mundo por lá.
 
O tratamento digital é da Flor...ficou linda amiga, Obrigado
 
O texto é da Sofia, e tem a ver com uma promessa de há muito tempo atrás, quando eu comecei a colocar fotografias no blog, no dia em que eu apanhasse uma tulipa, ela escrevia um texto para ela.... demorou, tive que ir à Irlanda, mas aqui está a tulipa...e o texto
 
Jorge

 

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Quem cá vem