Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Yo te convido a creerme cuando digo futuro.

Yo te convido a creerme cuando digo futuro

 

 

Te convido a creerme cuando digo futuro
si no crees mi palabra, cree el brillo de un gesto
Cree en mi cuerpo, cree en mis manos que se acaban. 
Te convido a creerme cuando digo futuro
si no crees en mis ojos, cree en la angustia de un
grito
cree en la tierra, cree en la lluvia, cree en la
savia.

Hay veinte mil nuevas semillas en el valle desde ayer.
Hay restos de desesperados, hay el hombre y la mujer.
Los fierros se fundieron ya
hay paciencia hay que dar más.

Hay un país en rocas y ruinas bajo otro país de pan
hay una madre que camina codo a codo con su clan.

Los fierros se fundieron ya
hay paciencia hay que dar más.

Hay cuatro niños ahora mismo sonriendo en una plaza
y en las trastienda de una bala un militar que no ha
dormido

Y aquella linda muchachita vuelve a recortar su saya
sí es importante desde un niño hasta el largo de un
vestido.

Los fierros se fundieron ya
hay paciencia hay que dar más.

Yo te convido a creerme cuando digo futuro.

 

Sílvio Rodrigues

 

Setúbal, Maio de 2010

Jorge Soares

Ser Criança

 

 

Ser criança

 

Ser criança

 

Ser criança

é ter esperança

 

É ter a alegria

de viver o mundo.

 

É ter uma chave

uma chave para o futuro.

É viver no mundo de imaginação.

É encarar o mundo,

é tê-los nas mãos.

 

É olhar o mundo

de maneira diferente.

É sonhar é viver ,

É ser diferente.

 

Raquel Soares

10 anos

Retirado de aqui

 

Praia do Carvalhal, Grândola, Setúbal

Julho de 2010

Jorge Soares

O futuro, uma sombra mentirosa

Pescadores em Cabo Verde

 

 

Sempre o Futuro, Sempre! e o Presente

 

Sempre o futuro, sempre! e o presente 
Nunca! Que seja esta hora em que se existe 
De incerteza e de dor sempre a mais triste, 
E só farte o desejo um bem ausente! 

Ai! que importa o futuro, se inclemente 
Essa hora, em que a esperança nos consiste, 
Chega... é presente... e só á dor assiste?... 
Assim, qual é a esperança que não mente? 

Desventura ou delirio?... O que procuro, 
Se me foge, é miragem enganosa, 
Se me espera, peor, espectro impuro... 

Assim a vida passa vagarosa: 
O presente, a aspirar sempre ao futuro: 
O futuro, uma sombra mentirosa. 

Antero de Quental, in 'Sonetos'

 

 

 

Pescadores da Cidade Velha, Ilha de Santiago

Cabo Verde

Fevereiro de 2010

Construindo o futuro

E esperança no futuro melhor

 

Um mundo melhor

 

Haverá um mundo...

Em que a alegria será institucionalizada...

A saúde será perpetuada...

E o amor será requisito básico!!!

 

Haverá um mundo...

Onde os cidadãos serão todos irmãos...

Onde a cortesia será praticada...

Onde a harmonia reinará em todos corações!!!

 

Haverá um mundo muito melhor...

Onde não existiram as diferenças de fracos e fortes...

Ricos ou pobres, pretos ou brancos, pior, ou melhor...

Apenas pessoas saudáveis e felizes!!!

 

Haverá um mundo...

E nós iremos encontrá-lo...

Senão construí-lo...

Construí-lo para nós, para podermos falar...

Existe um mundo, um mundo melhor...

Um mundo onde a poesia se torne constante...

Onde amor se torne presente...

Onde o ser humano seja respeitado...

Onde as crianças tenham futuro...

Onde o ancião seja ouvido...

E onde o nosso Deus se orgulhe de sua criação...

Um mundo melhor!!! 

 

Retirado do blog de Elton Milton Ribeiro

 

Jardim do Bonfim,

Setúbal, Março de 2010

Jorge Soares

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Quem cá vem