Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Sentinelas Absurdas, Vigilamos

 

Sentinelas Absurdas, Vigilamos

Quem diz ao dia, dura! e à treva, acaba!
E a si não diz, não digas!
Sentinelas absurdas, vigilamos,
Ínscios dos contendentes.
Uns sob o frio, outros no ar brando, guardam
O posto e a insciência sua.

Ricardo Reis, in "Odes"

 

 

Santiago de Compostela, Galicia

Agosto de 2014

Jorge Soares

 

brota do fundo do silêncio outro silêncio

Silêncio


Silêncio 


Assim como do fundo da música 
brota uma nota 
que enquanto vibra cresce e se adelgaça 
até que noutra música emudece, 
brota do fundo do silêncio 
outro silêncio, aguda torre, espada, 
e sobe e cresce e nos suspende 
e enquanto sobe caem 
recordações, esperanças, 
as pequenas mentiras e as grandes, 
e queremos gritar e na garganta 
o grito se desvanece: 
desembocamos no silêncio 
onde os silêncios emudecem. 

Octavio Paz, in "Liberdade sob Palavra" 
Tradução de Luis Pignatelli



Interior da igreja da nossa senhora da Assunção

Mértola

Março de 2013

Jorge Soares


Cacela-Velha, Igreja Matriz

Cacela Velha, Igreja

Cacela Velha, Igreja Matriz

Cacela Velha

Cacela Velha, Igreja

 

A actual Igreja Matriz de Cacela-Velha foi edificada em 1518 sobre as ruínas da primitiva construção medieval, dos fins do século XIII, da qual conserva uma pequena porta lateral ogival, virada a norte. Fortemente danificada pelo terramoto de 1755, foi reconstruída em 1795.

 

Cacela-Velha, Algarve, Fevereiro de 2012

Jorge Soares

Reguengos de Monsaraz, Igreja de Santo António

Reguengos de Monsaraz

Reguengos de Monsaraz

Reguengos de monsaraz

Igreja de Santo António, Reguengos de Monsaraz

 

O exterior é marcado por grandes arcobotantes e pela torre sineira, o que a torna num dos melhores exemplos de igrejas neogóticas em Portugal.

 

Esta igreja teve as suas raízes históricas no ano de 1887, com a determinação da Junta da Paróquia de Reguengos de edificar um templo em terrenos dos Novos Paços do Concelho.

 

Dedicada a Sto António, foi encomendado o projecto ao Arquitecto António José Dias da Silva (autor da Praça de Touros do Campo Pequeno, em Lisboa) resultando o edifício com características do espírito romântico da época gótico-manuelina.

 

Igreja de Santo António, Reguengos de Monsaraz

 

Fonte CM de Reguengos de Monsaraz

Julho de 2011

Jorge Soares

Igreja de São Miguel, Penela

 

Igreja de São Miguel, Penela

Igreja de São Miguel, Penela

Igreja de São Miguel, Penela

Igreja de São Miguel, Penela 

 

Igreja de S. Miguel

Já o foral dado por D. Afonso Henriques em 1137 menciona uma igreja no interior da fortaleza, mas deste primitivo templo românico nada é visível uma vez que este foi alvo de sucessivas reformas.

 

Entre as mais importantes contam-se a reedificação de 1420, ordenada por D. Pedro, duque de Coimbra, grande devoto do Arcanjo S. Miguel; e a reforma da 2ª metade do séc. XVI, que conferiu ao interior da igreja o aspecto geral que ainda hoje ostenta - traça basilical de três naves. Estas são divididas em quatro tramos por duas arcadas de colunas de capitéis renascentistas e base octogonal.

 

Na capela-mor emoldurada por um arco triunfal e revestida de talha dourada, são de salientar os painéis laterais com pinturas representando S.Miguel com a típica agitação barroca patente nas vestes.

 

Na nave, que comporta retábulos de talha dourada dos sécs. XVII-XVIII já repintados, duas esculturas merecem atenção: a Virgem com o Menino atribuída ao escultor renascentista João de Ruão (séc. XVI) e uma Santa Ana do séc. XIV.

Na escada de acesso ao adro da igreja são visíveis dois medalhões rectangulares com bustos masculinos do séc. XVI, certamente provenientes das pilastras do arco da capela-mor.

 

O actual aspecto exterior é decorrente da intervenção de cerca de 1950, altura em que a torre foi acrescentada para a colocação do relógio, retirado de uma das torres defensivas.

 

Na sacristia encontra-se a tela retirada do altar-mor representando S. 

 

Fonte Penela 

 

Junho de 2011

Jorge Soares

 

 

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Quem cá vem