Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

As margaridas também podem mentir!

Desogar la margarita

 

 

Um dia peguei uma margarida e fiz o bem-me-quer, mal-me-quer”… na primeira vez deu bem-me-quer. Na segunda veio não-me-quer, mas não fiquei preocupado … as margaridas também podem mentir!” 

 

Jim Morrison

 

Já disse que eu adoro flores silvestres?, nesta altura não há muitas.. mas já vão aparecendo, estas foram no Domingo passado algures nos campos que rodeiam Setúbal e nos acercam á serra da Arrábida.

 

Setúbal, Janeiro de 2012

Jorge Soares

Para poetizar uma flor Sob o efeito de feitiço ....

Para poetizar uma flor

 

Para poetizar uma flor
Sob o efeito de feitiço
Teria de proferir amor
E isso, eu não cobiço.

Para poetizar uma flor
Ante beleza evidente
Teria de expurgar dor
Como insecto demente.

Para poetizar uma flor
De perfume inebriante
Teria de inspirar odor
E magia todo o instante.

Para poetizar uma flor
Eloquente rima boa
Teria nascer trovador
Ou renascer em Pessoa


Lagoa_Azul

 

 

Gosto destas florzinhas azuis, mesmo num dia cinzento e chuvoso, elas tem um encanto especial e uma beleza única.

Odemira

Alentejo

Abril de 2011

Jorge Soares

 

22 de Abr de 2011, Câmara: SONY DSLR-A350, ISO: 100, Exp: 1/500 seg., Abert.: 5.6, Ext.: 200mm, Flash: Não

A beleza das pequenas coisas, Margaridas

Margaridas

Margaridas , a beleza das pequenas coisas

Margaridas, o segredo das pequenas coisas

 

As pequenas flores estavam penduradas na parede de um velho muro, mesmo ao lado do portão de uma casa, o sol do fim de tarde incidia directamente sobre elas, a luz, o lugar, as pequenas flores,.. perfeito, troquei a lente para a de 200 e dispunha-me a disparar.. um grito devolveu-me ao mundo:

 

- O que é que está a fazer? está a tirar fotografias a quê?

 

Apanhei um susto tal que nem consegui dizer nada, fiquei a olhar para a idosa que rapidamente se dirigia a mim.

 

- Está a tirar a fotografias a quê, ao número da casa?

 

Só então reparei que o pequeno tufo de margaridas estava encostado ao número da casa.... e fez-se luz.

 

- Ao Número? não, às flores, estou a tirar fotografias às flores.

-Quais flores?

-As flores pequeninas que estão ali

-Às Flores?... mas isso tem alguma piada?

 

Esta ultima frase já foi com ar de gozo, para ela aquelas flores insignificantes não mereciam o meu tempo... eu fiquei de tal modo aparvalhado que só consegui tirar estas três e saí dali rapidamente... pena, porque a luz estava mesmo bonita.

 

Alviães, Palmaz, Oliveira de Azeméis

Março de 2011

Jorge Soares

Margaridas, Flor com nome de gente ...

Margaridas

 

Margaridas

 

Flor com nome de gente

gente em nome de flor ?

Não vou tirar isso a limpo

Nem sequer tomo partido

quer contra - quer a favor !

- que eu penso - valha a verdade

que aqui - perder ou ganhar

não é questão - p’ra se pôr!

- O que importa é que a flor

é tal e qual a rapariga

seja o seu nome qual for ...

tem seu tempo de crescer

seu tempo de se criar

seu tempo de florir

de dar semente e morrer !

Que uma vida - quando inteira

no seu caminho percorre

as estradas uma a uma

e delas todas recolhe

o seu fruto sazonado

e, é assim que ás vezes

já com o Inverno no sangue

nos aquece o coração

ver em cada Primavera

as margaridas - bem vivas

brotar em moitas do chão

que só no tempo - a seu tempo

a Primavera ressurge

ano após ano - certinha

talvez - p’ra que a gente entenda

e veja e possa sentir

que sempre que flores murcham

ou pessoas vão partir

outras pessoas cá ficam

outras flores hão-de vir...

passar no tempo que passa

com seus rostos, seus feitios

seu andar ou sua voz

seu encanto, seu perfume

seu recorte, sua cor,

sejam rosas, sejam dálias

flores belas ou perpétuas

Eufrásias ou violetas

feitas mulher - ou flor

para viver as Primaveras

que há no tempo e há na vida

e, porque é efémera a Beleza,

pelos tempos - tempos fora

com a saudade se chora

pessoa que foi - flor querida

seja o seu nome o de Eufrásia

Dália, Rosa ou Margarida.

 

Maria José Rijo

..

LIVRO DAS FLORES

 

Setúbal, Maio de 2010

Jorge Soares

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Quem cá vem