Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Mocidade

Mocidade

Mocidade

A mocidade esplêndida, vibrante,
Ardente, extraordinária, audaciosa.
Que vê num cardo a folha duma rosa,
Na gota de água o brilho dum diamante;
Essa que fez de mim Judeu Errante
Do espírito, a torrente caudalosa,
Dos vendavais irmã tempestuosa,
- Trago-a em mim vermelha, triunfante!
No meu sangue rubis correm dispersos:
- Chamas subindo ao alto nos meus versos,
Papoilas nos meus lábios a florir!
Ama-me doida, estonteadoramente,
O meu Amor! que o coração da gente
É tão pequeno... e a vida, água a fugir...
                                       Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"

Nas margens do Rio Caima
Palmaz,Oliveira de Azemeis
Dezembro de 2012
Jorge Soares

Passeando pela terrinha

A abelha nas flores da minha mãe Promessas da Primavera que ainda vem longe

Os Diospiros

 

A casa das cabaças

 

O largo da Capela

 

Bem vistas as coisas, Alviães é o sitio onde morei menos tempo na minha vida, não foi lá que nasci, vá lá, foi perto, ..... não foi lá que passei a adolescência, nem foi lá que me tornei adulto, e não foi o sitio onde a vida me levou a ser feliz. Mas para mim, e para todos os efeitos, é a minha terra. Estranho fado este de chamarmos terra, a nossa terra, a um sitio... quando fomos felizes, muito mais felizes em muitos outros....

 

Estas fotografias, e algumas outros que já por aqui andaram e outras que ainda andarão, são o resultado de uma caminhada pelo lugar, a abelha nas flores da minha mãe, os rebentos na árvore que  já prometem a Primavera que ainda tarda.. mas que chega de certeza. Os dióspiros, restos do Outono passado e que em Dezembro continuam nos ramos altos da velha árvore, a velha casa com as cabaças e por fim, o candeeiro no largo da capela do São Lourenco.

 

Não, não é esta a imagem real da minha aldeia, um lugar que tem muito pouco de antigo ou bucólico,  é só o resultado de um passeio e de um outro olhar... sobre as minhas memórias.

 

Alviães, Palmaz, Oliveira de Azemeis

Dezembro de 2008

Flores de véspera de natal

Flor

Flores de Dezembro

Flores

Flores de Dezembro

 

24 de Dezembro, véspera de natal, estava um belo dia de sol, peguei na máquina e na P. e fomos dar uma volta pela aldeia. Foi a primeira vez que andei uns quilómetros depois daquela escorregadela no Nordeste, nos Açores.... o meu pé não se queixou.... :-)

 

Pelo caminho fui recolhendo as cores da natureza, que mesmo no Inverno são lindas... Flores de Inverno da minha aldeia.

 

Alviães, Palmaz, Oliveira de Azeméis

Dezembro de 2008

Apesar do frio ....

Flor amarela 

.... ela vive.

 

Se bem me lembro, o dia de natal foi o ultimo dia de sol até hoje. Quando me levantei tudo à volta da casa dos meus pais era gelo, a geada tinha sido forte. No dia anterior tinha visto que do outro lado da estrada, em cima de um velho muro de pedra havia duas ou três flores amarelas, imaginei que a geada as teria levado e as fotografias ficariam para a próxima visita, lá mais para a primavera, engano meu, a meio da manhã, o sol derreteu a geada dos campos....e ela lá estava, amarela.. linda.

 

Alviães, Palmaz, Oliveira de Azeméis

 

Dezembro de 2008

O natal dos pássaros!

Passaro 

Passaro

 

Passaro na galinheira

 

Passei a manhã de natal à caça, descobri que o melhor lugar era perto da galinheira, eles passavam entre a rede, depois por entre a outra rede e iam comer a ração das galinhas, entravam e em grande algazarra, por vezes em grupos, pássaros com almoço de natal especial. Mal me viam por perto.... deixavam de aparecer..... faço anos daqui a uns meses.... alguém me oferece uma lente com um zoom de jeito? ..... tentar não custa!

 

 

 

Alviães, Palmaz, Oliveira de Azemeis

Dezembro de 2008

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Quem cá vem