Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Flores da Arrábida

Flores

Flores da Arrábida

Flores da Arrábida

Flores da Arrábida

 

Mais ou menos por esta altura os recantos à volta dos campos e as bermas de algumas estradas no sopé da serra da Arrábida enchem-se destas flores, estas foram as primeiras que vi este ano, foi no Portinho da Arrábida a uns metros do mar.. a luz do fim de tarde não deu para mostrar toda a sua beleza....

 

Há uns dois anos que ando à procura do seu nome... alguém sabe?

 

Portinho da Arrábida, Setúbal

Fevereiro de 2011

Jorge Soares

Um tornado na serra da Arrábida?

Um tornado na serra da Arrábida?

Nuvens sobre a serra da Arrábida

 

Juro que não é uma montagem, a fotografia foi tirada da praia do Portinho da Arrábida, o que vemos é a serra da Arrábida ..e são nuvens. ..e não, não é um tornado....  é um céu azul com nuvens altas... e um rasto de um avião... mas digam lá que não enganava o mundo... é que parece mesmo um tornado sobre a serra.

 

Setúbal

Setembro de 2010

Jorge Soares

As cores da Flor de Cardo

Flor de cardo branca

As cores dos cardos

As cores da flor de cardo, amarela

As cores da flor de Cardo, azul marinho

As cores da flor de Cardo

As cores da flor de cardo

 

Tenho a certeza que tenho mais um ou dois tons, quem sabe dá mais posts... o sopé da serra da Arrábida ficou especialmente colorido depois das chuvas de Abril, e como podemos ver pela amostra os cardos floresceram em força, chamou-me a atenção especialmente os primeiros, um pé branco rodeado de uma floresta de tom lilás que aparentavam ser da mesma espécie... mas eu não percebo nada de botânica.

 

Setúbal, Maio de 2010

Jorge Soares

 

Convento da Nossa Senhora da Arrábida

Convento de nossa Senhora da Arrábida

Convento da Arrábida, Setúbal

 

 

O Convento da Nossa Senhora da Arrábida, que pertenceu à Província de Arrábida, fica meio escondido entre as árvores da vertente sul da serra, virada para o mar. Esta construção do século XVI foi outrora um mosteiro franciscano.As cinco torres redondas sobre a falésia foram provavelmente usadas para meditação solitária.

 

A fundação de um convento na serra da Arrábida data de fins de 1538-1539, quando D. João de Lencastre 1º Duque de Aveiro prometeu a Frei Martinho, um religioso castelhano da Ordem de S. Francisco, cumprir o seu desejo de fazer uma vida eremita, dedicada exclusivamente a Nossa Senhora. O duque cedeu a serra da Arrábida, onde já se existia uma ermida aberta ao culto em que se venerava a imagem conhecida por Nossa Senhora da Arrábida.

 

Aqui viveu Frei Agostinho da Cruz (Ponte da Barca, 1540 - Setúbal, 1619), frade poeta português, irmão do poeta Diogo Bernardes, que escreveu elegias e sonetos onde a serra está bem presente. Nascido Agostinho Pimenta, adoptou o nome Frei Agostinho da Cruz aos vinte e um anos de idade quando se tornou frade capuchinho. Depois de passar pelo Convento de Santa Cruz em Sintra e pelo Convento de Ribamar na Lourinhã, entrou para o Convento da Arrábida onde esteve vinte anos. As suas obras foram divulgadas só no século XVIII, quando em 1771 foi publicada a colectânea designada "Obras".

 

Fonte Wikipédia

 

Setúbal, Janeiro de 2010

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Quem cá vem