Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

O tempo é o meu maior património

Tempo

 

"Quanto mais precisas para viver, mais tens de trabalhar e menos tempo tens para ti. O maior dos luxos é o tempo. O tempo é o meu maior património."

 

Miguel esteves Cardoso

Vale de Cambra

Abril de 2014

Jorge Soares


publicado por Jorge Soares às 21:07
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 26 de Março de 2014

O tempo que passou

 

 

"O tempo que passa não passa depressa. O que passa depressa é o tempo que passou."

Virgilio Ferreira

 

Parque Urbano de Albarquel, setúbal

Janeiro de 2014

Jorge Soares


publicado por Jorge Soares às 22:45
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Março de 2014

... tudo quanto não consegui ser

Tempo

 

"O meu passado é tudo quanto não consegui ser. Nem as sensações de momentos idos me são saudosas: o que se sente exige o momento; passado este, há um virar de página e a história continua, mas não o texto.

 

Fernando Pessoa

Livro do Desassossego

 

Nas margens do Rio Sado

Setúbal, Janeiro de 2014

Jorge Soares


publicado por Jorge Soares às 21:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 16 de Março de 2014

Não tenhamos pressa,

Tempo

 

 

Não tenhamos pressa,
mas não percamos tempo.

José Saramago

 

 

Os dias do Inverno junto ao rio sado

setúbal, Janeiro de 2014

Jorge Soares


publicado por Jorge Soares às 22:24
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 7 de Março de 2014

Eu não quero o presente, quero a realidade

Tempo

 

 

Eu não quero o presente, quero a realidade

 

Vive, dizes, no presente, 
Vive só no presente. 

Mas eu não quero o presente, quero a realidade; 
Quero as cousas que existem, não o tempo que as mede. 

O que é o presente? 
É uma cousa relativa ao passado e ao futuro. 
É uma cousa que existe em virtude de outras cousas existirem. 
Eu quero só a realidade, as cousas sem presente. 

Não quero incluir o tempo no meu esquema. 
Não quero pensar nas cousas como presentes; quero pensar nelas 
                         como cousas. 

Não quero separá-las de si-próprias, tratando-as por presentes. 

Eu nem por reais as devia tratar. 
Eu não as devia tratar por nada. 

Eu devia vê-las, apenas vê-las; 
Vê-las até não poder pensar nelas, 
Vê-las sem tempo, nem espaço, 
Ver podendo dispensar tudo menos o que se vê. 
É esta a ciência de ver, que não é nenhuma. 

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos" 
Heterónimo de Fernando Pessoa

 

Setúbal, Fevereiro de 2014

Jorge Soares


publicado por Jorge Soares às 21:44
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 25 de Outubro de 2012

Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo..

O tempo não para

 

O tempo não pára! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo...

Mario Quintana

 

Setembro de 2012

Jorge Soares


publicado por Jorge Soares às 00:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 2 de Novembro de 2011

O tempo

Óbidos

 

"O tempo que tudo transforma, transforma também o nosso temperamento. Cada idade tem os seus prazeres, o seu espírito e os seus hábitos."

Autor - Boileau , Nicolas

 

Óbidos

Setembro de 2011

Jorge Soares


publicado por Jorge Soares às 00:03
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011

Teatro di Marcello

Teatro di Marcello

 

teatro de Marcelo foi construído na Roma Antiga, ainda parcialmente conservado, alçado por vontade de Júlio Césarna zona meridional do Campo de Marte conhecida como Circo Flamínio, entre o rio Tibre e o Capitólio. Foi assim baptizado em memória de Marco Cláudio Marcelo, filho de Octávia, irmã deAugusto, e Caio Cláudio Marcelo. Marco Marcelo morreu cinco anos antes da conclusão do edifício.

 

Júlio César projectou a construção de um teatro destinado a rivalizar com aquele construído no Campo Marzio por Pompeu. Assim, esta área é arrasada, chegando-se mesmo a destruir alguns edifícios sacros, como um templo dedicado à Piedade(Pietas). Quando César foi assassinato, estavam apenas içadas as fundações; os trabalhos foram continuados por Augusto, que empregou o seu próprio dinheiro para arrasar uma área ainda mais vasta e alçar um edifício de dimensões maiores das originalmente previstas. Este alargamento comportou provavelmente a ocupação de uma parte do Circo Flamínio e a realocação e reconstrução dos edifícios sacros circundantes, como o antigo templo de Apolo.

 

O nome Templum Marcelli continua agarrado às ruínas até 998. Na Alta Idade Média  foi utilizado como fortaleza Mais tarde, no século 16, a residência dos Orsini , projetado por Baldassare Peruzzi , foi construído sobre as ruínas do antigo teatro.

 

Agora, a parte superior é dividida em vários apartamentos, e os seus arredores são utilizados como um espaço para pequenos shows de verão, o Portico d'Ottavia  está situado a noroeste levando ao Gueto Romano e do Tibre.

 

Via Wikipédia

 

Um notável exemplo do passo do tempo e das marcas deixadas pelos diversos habitantes da cidade.

 

Roma

Dezembro de 2010

Jorge Soares


publicado por Jorge Soares às 11:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 29 de Junho de 2010

Tempo

 

 

Relógio de sol

 

Tempo — definição da angústia. 
Pudesse ao menos eu agrilhoar-te 
Ao coração pulsátil dum poema! 
Era o devir eterno em harmonia. 
Mas foges das vogais, como a frescura 
Da tinta com que escrevo. 
Fica apenas a tua negra sombra: 
— O passado, 
Amargura maior, fotografada. 

Tempo... 
E não haver nada, 
Ninguém, 
Uma alma penada 
Que estrangule a ampulheta duma vez! 

Que realize o crime e a perfeição 
De cortar aquele fio movediço 
De areia 
Que nenhum tecelão 
É capaz de tecer na sua teia! 

Miguel Torga, in 'Cântico do Homem'

 

 

Relógio de Sol em Setúbal

Abril de 2010

Jorge Soares


publicado por Jorge Soares às 12:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

.pesquisar

 

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 267 seguidores

.arquivos

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.links

.mais comentados

5 comentários
1 comentário
1 comentário
SAPO Blogs

.subscrever feeds