Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Momentos e Olhares

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade! -Jorge Soares

Ó mar

Mar


Ó mar 
Ó mar 
Ó mar profundo 
Ó mar 
Negro altar 
Do fim do mundo 

Em ti nasceu 
Ó mar 
A noite que já morreu 
O teu olhar 

Ó mar 
Ó mar 
Ó mar profano 
Ó mar 
Verde mar 
Em que me irmano 

Em ti nasceu 
Ó mar 
A noite que já morreu 
No teu olhar

José Afonso


Ouvir


Ericeira
Setembro de 2012
Jorge Soares

Outono 6

Outono, Jardim de monserrate

 

Balada do Outono

 

Águas passadas do rio
Meu sonho vazio
Não vão acordar
Águas das fontes calai
Ó ribeiras chorai
Que eu não volto a cantar

Rios que vão dar ao mar
Deixem meus olhos secar
Águas das fontes calai
Ó ribeiras chorai
Que eu não volto A cantar

Águas do rio correndo
Poentes morrendo
P'ras bandas do mar
Águas das fontes calai
Ó ribeiras chorai
Que eu não volto A cantar

Rios que vão dar ao mar
Deixem meus olhos secar
Águas das fontes calai
Ó ribeiras chorai
Que eu não volto A cantar 

 

Zeca Afonso

 

Ouvir 

 

 
O Outono na Mata de Albergaria, Parque nacional da Peneda Gerês
Novembro de 2010
Jorge Soares

Recados Gráficos - Eles comem tudo

FMI - eles comem tudo

 

Os vampiros

 

No céu cinzento sob o astro mudo
Batendo as asas pela noite calada

Vêm em bandos com pés de veludo
Chupar o sangue fresco da manada
Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhes franqueia as portas à chegada
Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada [bis]

A toda a parte chegam os vampiros
Poisam nos prédios poisam nas calçadas
Trazem no ventre despojos antigos
Mas nada os prende às vidas acabadas

São os mordomos do universo todo
Senhores à força mandadores sem lei
Enchem as tulhas bebem vinho novo
Dançam a ronda no pinhal do rei

Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada

No chão do medo tombam os vencidos
Ouvem-se os gritos na noite abafada
Jazem nos fossos vítimas dum credo
E não se esgota o sangue da manada

Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhe franqueia as portas à chegada
Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada

Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada

 

Zeca Afonso

Ouvir aqui

 

Numa rua de Setúbal

Maio de 2011

Jorge Soares

Uma soma agreste

Barco na Docapesca, Setúbal

 

Era um redondo vocábulo
Uma soma agreste
Revelavam-se ondas
Em maninhos dedos
Polpas seus cabelos
Resíduos de lar,
Pelos degraus de Laura
A tinta caía
No móvel vazio,
Congregando farpas
Chamando o telefone
Matando baratas
A fúria crescia
Clamando vingança,
Nos degraus de Laura
No quarto das danças
Na rua os meninos
Brincando e Laura
Na sala de espera
Inda o ar educa


Zeca Afonso

 

Bote na Docapesca, Setúbal

Abril de 2011

Jorge Soares

Menino do bairro negro

Meninos de cabo Verde

 

Olha o sol que vai nascendo 
Anda ver o mar 
Os meninos vão correndo 
Ver o sol chegar 

Menino sem condição 
Irmão de todos os nus 
Tira os olhos do chão 
Vem ver a luz 

Menino do mal trajar 
Um novo dia lá vem 
Só quem souber cantar 
Vira também 

Negro bairro negro 
Bairro negro 
Onde não há pão 
Não há sossego 

Menino pobre o teu lar 
Queira ou não queira o papão 
Há-de um dia cantar 
Esta canção 

Olha o sol que vai nascendo 
Anda ver o mar 
Os meninos vão correndo 
Ver o sol chegar 

Se até da gosto cantar 
Se toda a terra sorri 
Quem te não há-de amar 
Menino a ti 

Se não é fúria a razão 
Se toda a gente quiser 
Um dia hás-de aprender 
Haja o que houver 

Negro bairro negro 
Bairro negro 
Onde não há pão 
Não há sossego 

Menino pobre o teu lar 
Queira ou não queira o papão 
Há-de um dia cantar 
Esta canção

 

Zeca Afonso

Ouvir aqui

 

Algures numa praia na Ilha de Santiago

Cabo Verde

Fevereiro de 2010

Jorge Soares

Direitos de Autor
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março.
Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo e serão retiradas de imediato.

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Quem cá vem